Não sei o que queres dizer com glória, disse Alice.
Humpty-Dumpty sorriu, com desprezo. Claro que não, até que eu te diga. Quero dizer "aí tens um belo argumento que te arruma!"
Mas "glória" não significa um belo argumento que te arruma
, objectou Alice.
Quando eu uso uma palavra, disse Humpty-Dumpty, em tom de escárnio, ela significa o que eu decidir que significa, nem mais nem menos.
O problema é, disse Alice, se se pode obrigar as palavras a significar tantas coisas diferentes.
O problema é, disse Humpty-Dumpty, quem manda. Apenas isso.

Lewis Carroll, Alice no país das maravilhas




rascunhos
de
abordagens
(eventualmente)
literárias



GNM


Nasci muito perto do fim dos anos 70. O meu nascimento aconteceu às primeiras horas de um dia gelado de Dezembro, e, desde aí, jamais consegui libertar-me do frio que se fazia sentir naquele dia. A normalidade foi algo que durante toda a vida inconscientemente ansiei, mas sempre recusei. Em criança ela espreitava-me durante a noite, olhando-me do lado de fora da janela. E eu, fingindo não a ver, fechava as cortinas...

Domingo

⊆ segunda-feira, novembro 28, 2005 por GNM | . | ˜ 31 comentários »

A rua deserta rende-se à terrível escuridão.
Lojas fechadas. Apenas cães vagueiam pensativos,
Carros, cada vez mais raros, quebram a evasão,
Rasgam a noite adormecida, desaparecem esquivos.

E as gotas da chuva salpicam a janela.

É Domingo. E eu nunca gostei do Domingo.
Como estátua de cera, vou ficar aqui, quieto, calado,
Esperar pelo momento ansiado em que me vingo,
Encarnando a raiva deste silêncio febril, envergonhado.

E a chuva fortificada desafia a janela.

Oiço apenas o sangue latejar-me nos ouvidos,
Como se eu fosse um autómato pré-programado,
De emoções e sentimentos trancados e proibidos,
Com passado mais que secreto e futuro adiado.

E a janela combate a força da chuva.

Os candeeiros da rua acendem-se bruscamente!
Peço-lhes, gentilmente, que se voltem a apagar:
“Essa vossa luz alaranjada, teimosa e insistente,
Empalidece toda a beleza rutilante do meu luar”.

E a chuva feroz chicoteia a janela.

É com silencio trocista que me olham desafiantes,
E o luar esmorece enquanto o observo desfalecer,
Sou percorrido por certezas amargas e lancinantes,
De que nada tenho a ganhar, nada tenho a perder.

E a janela rende-se finalmente, alagada.


31 respostas a Domingo

  1. Nilson Barcelli Says:
    Que Domingo...
    Mais valia ir dormir.
    Mas valeu a pena pelo belo momento de poesia que proporcionas com o teu poema.
    Abraço e boa semana.
  2. andrye Says:
    Boa semaninha lindo.beijo grande
  3. nana Says:
    há Domingos e Domingos, mas tende a ser cinzento e abandonado o espaço urbano...o que pode ser um descanso...
    ;)
    gostei do post.
    ;)
  4. Martuxa Says:
    Domingo...
    Kem dera o domingo!!! Lol
    Isto hj tá mto mau pa comentários mas o k conta é a intenção...
    Sorrisos e beijinhos!!!
    Um sol e um arco-íris
  5. Natalie Afonseca Says:
    Olá!!
    Eu já não sei que te diga!!
    Cada vez mais adoro ler-te!!
    Líndo este teu poema! Simples, mas LINDO!! Percebes o quanto o simples é líndo?!? Eu sim!!

    Domingo, descrição fantástica!
    E hoje é realmente Domingo e a chuva insiste em cair, mas não me prende em casa!! Apetece-me sair...

    Beijosssssss
    Boa semana!!
    :)
    (esqueceste-te de mim) ai ai ai !!
    :Phehe
  6. um estranho Says:
    E nesses dias em que os vidros apenas refletem a chuva inspiras-te e dás-nos estas palavras em forma de molhado.

    Beijo
  7. Etari Peht Says:
    Para este tipo de Domingo proponho o surf...
  8. Betty Branco Martins Says:
    Nas tuas palavras há o "reflexo" de um dia "Domingo" que num rendilhar de sentimentos ofereces um belíssimo poema


    Beijinhos

    (A tua opinião: é importante SIM!)
  9. aflores Says:
    Confesso que também não gosto do domingo (porque será?) e então com chuva, nem se fala. Vale sempre o momento de leitura, a preguiça, dois dedos de conversa ou um bom filme. Boa semana.
  10. ritaalexandre Says:
    É por isso tudo que eu não gosto do Domingo... Esta foi a melhor descrição que já li do que sinto ao Domingo... Adorei !

    Queria-te agradecer também a tua pequena passagem pelo meu blog : )

    Um beijo . . .
  11. Rita Says:
    É por isso tudo que eu não gosto do Domingo... Esta foi a melhor descrição que já li do que sinto ao Domingo... Adorei !

    Queria-te agradecer também a tua pequena passagem pelo meu blog : )

    Um beijo . . .
  12. Mary Mary Says:
    Domingo é debaixo dos cobertores, com chá, um bom filme a passar na televisão e uma boa companhia... A partir daí são tudo pormenores...
  13. yatashi Says:
    Que belíssimo:)

    Beijinhos, Rose*
  14. Aran Says:
    Está magnifico! Adorei, beijinhos
  15. pluma(princesavirtual) Says:
    Começas-me a impressionar GNM :) A musica é linda (tens que me dizer de quem é) sabes que por momentos pensei que era Astor Piazzola os primeiros acordes.. ou alguns acordes.
    O poema tem a nostalgia dos domingos chuvosos.
    Em conjunto ficou «impar».
    Beijo (recatado) da Princesa
    Ps e sim tenho andado bastante ocupadinha!!!
  16. Pilantra Says:
    Imagina que já saio à noite!
    Foi-se a gripe de aviário!
    Boa semana para ti!
  17. Samartaime Says:
    Lá fui parar ao antigo que ainda por cima sumiu!
    Deixa cá por o novo!
  18. ≈♥ Nadir ♥≈ Says:
    A beleza das tuas palavras é quase palpavel, senti os sentimentos que descreveste á flor da pele...arrepio...identifiquei-me com cada letra...
    Absolutamente fantastico!
    bem hajas porpartilares momentos teus de uma forma tão bela, que me fez prender a respiração.
  19. Malae Says:
    Como te compreendo! Nunca gostei dos domingos também... mas as tuas palavras tornam-no claramente muito mais belo! =)

    Obrigada pelas palavras!

    Beijinhos muito grandes.
    Malae***************
  20. Neith Says:
    Um poema soberbo...palavras e música ... uma combinação perfeita :) Um beijo enorme
  21. Pau de Fósforo Says:
    Num Domingo destes à janela
    Só faz falta o silêncio da calma
    Um abraço quente de uma mulher bela
    E um poema destes para lavar a alma
    Um abraço
  22. Rosario Andrade Says:
    "Encarnando a raiva deste silêncio febril, envergonhado."

    GNM, hoje queria ser dona das tuas palavras, queria possuir o chicote que tu tens para as obligar a ordenarem-se em espelhos que dissessem o que sinto...
    mas só, febril, o silencio... e as tuas palavras.

    Abracicos
  23. lena Says:
    há domingos que não gosto
    domingos de vidro, pensativos, de portas fechadas

    belissimo poema e como me senti bem ler-te

    beijinhos


    lena
  24. Paula Raposo Says:
    Já vi as minhas romãs linkadas! Obrigada... eu odeio domingos...gostei imenso deste poema!! Beijinhos
  25. susana Says:
    lindo, domingo é sempre um dia inspirador =)
  26. Clitie Says:
    Domingos de chuva, muita, muita chuva... :-(

    Bjk
  27. Alma de Poeta Says:
    Lindo...lindo....adorei o poema. Parabéns Poeta....deixo um beijinho
  28. Aromas Do Mar Says:
    Um domingo cinzento espelhado num poema lindo:)

    Beijo da Lina/Mar Revolto
  29. Luis Enrique Says:
    Vim para dar-te um abraço sentido poeta. "Como estátua de cera, vou ficar aqui, quieto, calado.....
    De emoções e sentimentos trancados e proibidos, com passado mais que secreto e futuro adiado".
  30. Claudia Perotti Says:
    Impossível ler teu texto e não sentir nada, ainda mais com essa canção maravilhosa.

    Lindo texto!
    Beijos
  31. Cláudio B. Carlos (CC) Says:
    Oi GNM!

    Belo poema. "E a janela rende-se finalmente, alagada."

    CC.

= Leave a Reply